A bandeira dos EUA nos três mares da Europa

Será um triunfo para o presidente Trump quando, no dia 6 de julho, chegar de visita a Varsóvia. A Polônia, assegura a Casa Branca, é “fiel aliado na Otan e um dos mais estreitos amigos da América”. Com efeito, é a ponta de lança da estratégia dos EUA e da Otan que arrastou a Europa a uma nova guerra fria contra a Rússia.

Na Polônia, para onde foi transferida em janeiro a 3ª Brigada de blindados dos EUA, foi deslocado, sob o comando dos EUA, um dos quatro grupos de batalha da Otan “com presença avançada reforçada”, com funções anti-Rússia.

A Polônia tem também o mérito de ser um dos quatro países europeus da Otan que realizaram o objetivo, exigido pelos EUA em 2014, de destinar mais de 2% do PIB a despesas militares. Em compensação, anuncia Varsóvia, a Polônia não contribuirá para o “Fundo para a Defesa” lançado pela União Europeia em 22 de junho.

A Polônia do presidente Duda tem, assim, aos olhos de Washington, todas as credenciais para assumir outro encargo importante, qual seja o de lançar e dirigir a “Iniciativa dos Três Mares”, um novo projeto que reúne 12 países compreendidos entre o Báltico, o Mar Negro e o Adriático: Polônia, Lituânia, Letônia, Estônia, Hungria, República Tcheca, Áustria, Bulgária, Romênia, Croácia, Eslovaquia e Eslovênia.

Todos membros da União Europeia, razão pela qual o presidente Duda define a Iniciativa como “um novo conceito para promover a unidade europeia”. Mas esses países são ao mesmo tempo, todos, exceto a Áustria, membros da Otan sob o comando dos EUA  mais ligados a Washington do que a Bruxelas.

A “Iniciativa dos Três Mares” será batizada pelo presidente Trump na conferência que se realizará em Varsóvia em 6 de julho, mas foi concebida pela administração Obama.

Esta foi anunciada em 25 de agosto de 2016 com a Declaração Conjunta de Dubrovnik, que a apresentava como uma iniciativa visando a “conectar a economia e a infraestrutura da Europa central e oriental de Norte a Sul, expandindo a cooperação nos setores de energia, transportes, comunicações digitais e na economia em geral. O objetivo oficial é “tornar a Europa central e oriental mais segura e competitiva”. Os EUA se ocuparão disto.

No seu discurso na Conferência dos Três Mares, anuncia a Casa Branca, o presidente Trump “se concentrará no desenvolvimento da infraestrutura e na segurasnça energética, evidenciando entre outras coisas as primeiras remessas de LNG (gás natural liquefeito) americano à Polonia imediatamente nos próximos meses”. Um terminal no porto báltico de Swinoujscie, que custou cerca de um bilhão de dólares, permitirà à Polônia importar LNG estadunidense numa quantidade de 5 bilhões de metros cúbicos anuais, que podem subir a 7,5 bilhões.

Através deste e de outros terminais, entre os quais um que foi projetado na Croácia, o gás proveniente dos EUA ou de outros países por meio de empresas estadunidenses, será distribuído com gasodutos a toda a “região dos três mares”.

O objetivo do plano é claro: golpear a Rússia, fazendo cair a sua exportação de gás para a Europa (obietivo que só pode ser realizado se a exportação do gás estadunidense, mais caro que o russo, for incentivada com fortes subvenções estatais); ligar ainda mais aos EUA a Europa central e oriental não apenas militarmente mas também economicamente, em concorrência com a Alemanha e outras potências europeias; criar dentro da Europa uma macrorregião (a dos três mares) com soberania limitada, diretamente sob influência dos EUA, que de fato fracionaria a União Europeia e se alargaria à Ucrânia e outros países.

O mapa político da Europa está para ser mudado de novo, mas a bandeira estrelada e listrada continua fincada.

Manlio Dinucci

Artigo em italiano : Sui Tre mari dell’Europa bandiera Usa

Fonte : ilmanifesto.info

Artigo publicado em Il Manifesto.

Tradução de José Reinaldo Carvalho para Resistência

Manlio Dinucci é geógrafo e jornalista



Articles Par : Manlio Dinucci

A propos :

Manlio Dinucci est géographe et journaliste. Il a une chronique hebdomadaire “L’art de la guerre” au quotidien italien il manifesto. Parmi ses derniers livres: Geocommunity (en trois tomes) Ed. Zanichelli 2013; Geolaboratorio, Ed. Zanichelli 2014;Se dici guerra…, Ed. Kappa Vu 2014.

Avis de non-responsabilité : Les opinions exprimées dans cet article n'engagent que le ou les auteurs. Le Centre de recherche sur la mondialisation se dégage de toute responsabilité concernant le contenu de cet article et ne sera pas tenu responsable pour des erreurs ou informations incorrectes ou inexactes.

Le Centre de recherche sur la mondialisation (CRM) accorde la permission de reproduire la version intégrale ou des extraits d'articles du site Mondialisation.ca sur des sites de médias alternatifs. La source de l'article, l'adresse url ainsi qu'un hyperlien vers l'article original du CRM doivent être indiqués. Une note de droit d'auteur (copyright) doit également être indiquée.

Pour publier des articles de Mondialisation.ca en format papier ou autre, y compris les sites Internet commerciaux, contactez: [email protected]

Mondialisation.ca contient du matériel protégé par le droit d'auteur, dont le détenteur n'a pas toujours autorisé l’utilisation. Nous mettons ce matériel à la disposition de nos lecteurs en vertu du principe "d'utilisation équitable", dans le but d'améliorer la compréhension des enjeux politiques, économiques et sociaux. Tout le matériel mis en ligne sur ce site est à but non lucratif. Il est mis à la disposition de tous ceux qui s'y intéressent dans le but de faire de la recherche ainsi qu'à des fins éducatives. Si vous désirez utiliser du matériel protégé par le droit d'auteur pour des raisons autres que "l'utilisation équitable", vous devez demander la permission au détenteur du droit d'auteur.

Contact média: [email protected]