Print

A estratégia de tensão da Otan
Par Manlio Dinucci
Mondialisation.ca, 30 juin 2017
ilmanifesto.it 27 juin 2017
Url de l'article:
https://www.mondialisation.ca/a-estrategia-de-tensao-da-otan/5596962

O que aconteceria se o avião do secretário estadunidense da Defesa Jim Mattis, em voo da Califórnia ao Alasca ao longo de um corredor aéreo sobre o Pacífico, fosse interceptado por um caça russo da aeronáutica cubana? A notícia ocuparia as primeiras páginas, suscitando uma onda de preocupadas reações políticas.

Inversamente, não se mexeu sequer uma folha quando em 21 de junho o avião do ministro russo da Defesa Sergei Shoigu, em voo de Moscou ao enclave russo de Kaliningrado pelo corredor sobre o Mar Báltico, foi interceptado por um caça F-16 estadunidense da aviação polonesa que, depois de se aproximar ameaçadoramente, teve que se afastar com a intervenção de um caça Sukhoi SU-27 russo. Uma provocação programada, que faz parte da estratégia da Otan visando a aumentar na Europa, dia após dia, a tensão com a Rússia.

De 1º a 16 de junho se desenvolveu no Mar Báltico, perto da costa russa e com a motivação oficial de defender a região da “ameaça russa”, o exercício da Otan “Baltops” com a participação de mais de 50 navios e 50 aeronaves de guerra dos Estados Unidos, França, Alemanha, Grã Bretanha, Polônia e outros países como Suécia e Finlândia, não membros, mas parceiros da Aliança.

Enquanto isso, de 12 a 23 de junho, realizou-se na Lituânia o exercício “Iron Wolf” que viu empenhados, pela primeira vez, dois grupos de batalha da Otan “com presença avançada potenciada”: o da Lituânia sob comando alemão, compreendendo tropas belgas, holandesas e norueguesas e, a partir de 2018, também francesas, croatas e tchecas; e o da Polônia, sob comando estadunidense, incluindo tropas britânicas e romenas.

Blindados Abrams da 3ª Brigada blindada dos EUA, transferida à Polônia em janeiro último, entraram na  Lituânia através do Suwalki Gap, um trecho de terreno plano ao longo de uma centena de quilômetros entre Kaliningrado e a Bielorússia, unindo-se aos blindados Leopard do batalhão alemão 122 de infantaria mecanizada. O Suwalki Gap, adverte a Otan exumando o aparato propagandístico da velha guerra fria, “seria uma passagem perfeita através da qual os blindados russos poderiam invadir a Europa”.

Em plena atividade estão também os outros dois grupos de batalha da Otan: o da Letônia sob comando canadense, que inclui tropas italianas, espanholas, polonesas, eslovenas e albanesas; e o da Estônia sob comando britânico, com tropas francesas e, a partir de 2018, também dinamarquesas.

“As nossas forças estão prontas e posicionadas no  caso em que seja necessário para enfrentar a agressão russa”, assegura o general Curtis Scaparrotti, chefe do Comando europeu dos Estados Unidos e ao mesmo tempo Comandante supremo aliado na Europa.

Não são apenas os grupos de batalha da Otan “com presença avançada potenciada” que estão por ser mobilizados. De 12 a 29 de junho se desenvolve no Centro da Otan de treinamento das forças conjuntas, na Polônia, o exercício “Coalition Warrior” cujo escopo é experimentar a mais avançada tecnologia para dar à Otan a máxima prontidão e interoperatividade, em particular no confronto com a Rússia. Participam mais de mil cientistas e engenheiros de 26 países, entre os quais os do Centro da Otan para a pesquisa marítima e experimentação com sede em La Spezia.

Obviamente, Moscou não está com as mãos abanando. Depois que o presidente Trump visitar a Polônia em seis de julho, a Rússia terá no Mar Báltico um grande exercício naval conjunto com a China.

Talvez conheçam em Washington o antigo provérbio: “Quem semeia ventos, colhe tempestade”.

Manlio Dinucci

 

 

Artigo publicado em Il Manifesto, 27 de junho de 2017.

O artigo em italiano : Strategia Nato della tensione L’arte della guerra

Tradução de José Reinaldo Carvalho para o Resistência.

Manlio Dinucci é geógrafo e jornalista.

Avis de non-responsabilité: Les opinions exprimées dans cet article n'engagent que le ou les auteurs. Le Centre de recherche sur la mondialisation se dégage de toute responsabilité concernant le contenu de cet article et ne sera pas tenu responsable pour des erreurs ou informations incorrectes ou inexactes.