As mentiras da França sobre o caso Evo Morales/Edward Snowden

Após ordem de Washington, países europeus fecharam espaço aéreo ao avião de Evo Morales, desatando crise diplomática entre Europa e América Latina

Ao proibir que o avião presidencial de Evo Morales sobrevoasse seu território na madrugada entre os días 2 e 3 de julho de 2013, a França desatou uma grave crise internacional com a Bolívia. Espanha, Itália e Portugal também foram culpados do mesmo ato de hostilidade em relação ao país sul-americano. Todos, sem exceção, seguiram as ordens de Washington, que pensava erroneamente que seu ex-agente Edward Snowden se encontrasse a bordo do avião.

Toda América Latina, desde o Chile até Cuba, de todas as tendências políticas, condenou este ato, inédito desde o final da II Guerra Mundial. Paris foi culpada de uma gravísima violação do Direito Internacional ao atentar contra la imunidade diplomática absoluta da qual goza todo chefe de Estado. A Bolívia se dirigiu imediatamente às instâncias internacionais para denunciar esta agressão ilegal.

Agência Efe

O presidente boliviano, Evo Morales, é recepcionado pela população ao chegar ao aeroporto de El Alto

As explicações proporcionadas pelo Ministério francês de Relações Exteriores são pouco convincentes. O Quai d’Orsay “lamentou o contratempo causado ao presidente Morales pelo atraso na confirmação da autorização do sobrevoo do território francês pelo avião do presidente”. No entanto, a Bolívia pediu e conseguiu a autorização de cruzar o espaço aéreo francês no dia 27 de junho de 2013, ou seja, seis dias antes do incidente. Assim, a França sabia quase uma semana antes que o avião presidencial boliviano cruzaria seu território nacional.

Questionado a respeito, o presidente francês François Hollande não prestou maiores esclarecimentos. “Quando me inteirei de que era o avião do presidente boliviano, autorizei imediatamente o sobrevoo”. Outra vez, estas palavras são inexatas já que havia sido dada anteriormente a autorização do veículo para cruzar o espaço aéreo uma semana antes do grave incidente que obrigou Evo Morales a aterrisar de emergência na Áustria e fazer uma escala de 13 horas ali.

Na verdade, a França mostrou uma embaraçosa submissão frente os Estados Unidos e se comportou não como uma grande nação soberana e independente, mas como uma “República das Bananas” dócil e obediente. Paris não vacilou um só instante em violar o Direito Internacional, cometer um ato sumariamente hostil para com um país aliado e colocar em perigo a vida de um presidente democraticamente eleito, com o objetivo de acatar uma ordem de Washington. Assim, o governo socialista francês prestou ajuda à administração Obama em sua intenção de prender Edward Snowden, que revelou que os serviços de inteligencia estadounidenses espionavam… a Europa e a França.

Salim Lamrani

 

Doutor em Estudos Ibéricos e Latino-americanos da Universidade Paris Sorbonne-Paris IV, Salim Lamrani é professor-titular da Universidade da Reunião e jornalista, especialista nas relaciones entre Cuba e Estados Unidos. Seu último livro se chama The Economic War Against Cuba. A Historical and Legal Perspective on the U.S. Blockade, New York, Monthly Review Press, 2013, com prólogo de Wayne S. Smith e prefácio  de Paul Estrade. Contato: [email protected] ; [email protected]  Página no Facebook.



Articles Par : Salim Lamrani

A propos :

Docteur ès Etudes Ibériques et Latino-américaines de l’Université Paris IV-Sorbonne, Salim Lamrani est Maître de conférences à l’Université de La Réunion, et journaliste, spécialiste des relations entre Cuba et les Etats-Unis. Son nouvel ouvrage s’intitule Fidel Castro, héros des déshérités, Paris, Editions Estrella, 2016. Préface d’Ignacio Ramonet. Contact : [email protected] ; [email protected] Page Facebook : https://www.facebook.com/SalimLamraniOfficiel

Avis de non-responsabilité : Les opinions exprimées dans cet article n'engagent que le ou les auteurs. Le Centre de recherche sur la mondialisation se dégage de toute responsabilité concernant le contenu de cet article et ne sera pas tenu responsable pour des erreurs ou informations incorrectes ou inexactes.

Le Centre de recherche sur la mondialisation (CRM) accorde la permission de reproduire la version intégrale ou des extraits d'articles du site Mondialisation.ca sur des sites de médias alternatifs. La source de l'article, l'adresse url ainsi qu'un hyperlien vers l'article original du CRM doivent être indiqués. Une note de droit d'auteur (copyright) doit également être indiquée.

Pour publier des articles de Mondialisation.ca en format papier ou autre, y compris les sites Internet commerciaux, contactez: [email protected]

Mondialisation.ca contient du matériel protégé par le droit d'auteur, dont le détenteur n'a pas toujours autorisé l’utilisation. Nous mettons ce matériel à la disposition de nos lecteurs en vertu du principe "d'utilisation équitable", dans le but d'améliorer la compréhension des enjeux politiques, économiques et sociaux. Tout le matériel mis en ligne sur ce site est à but non lucratif. Il est mis à la disposition de tous ceux qui s'y intéressent dans le but de faire de la recherche ainsi qu'à des fins éducatives. Si vous désirez utiliser du matériel protégé par le droit d'auteur pour des raisons autres que "l'utilisation équitable", vous devez demander la permission au détenteur du droit d'auteur.

Contact média: [email protected]