Avós da Praça de Maio rejeita « reconciliação » com genocidas impulsionada pela igreja

A CEA anunciou que receberá familiares de pessoas desaparecidas e de repressores para iniciar « um percurso de trabalho sobre o tema da reconciliação no contexto da cultura do encontro ».
Avós da Praça de Maio manifesta sua profunda preocupação com a ideia de « reconciliação » entre vítimas e perpetradores do terrorismo de Estado que a Conferência Episcopal Argentina (CEA) está impulsionando, chefiada por seu presidente, Dom José María Arancedo.
O CEA anunciou, em sua reunião plenária, que receberá familiares de desaparecidos e repressores faltando para iniciar « um percurso de trabalho sobre o tema da reconciliação no contexto da cultura do encontro ».
Diante desta informação, dizemos novamente: não existe diálogo que seja possível com aqueles que sequestraram, torturaram e desapareceram com nossos filhos e filhas; com aqueles que negam informações sobre seu destino final; com aqueles que sabem onde estão os mais de 300 netos e netas que ainda são escravos de mentiras e, a 40 anos de sua apropriação, continuam vivendo sob uma falsa identidade.
Parte da igreja foi cúmplice dos desaparecimentos; com dupla moral endossaram as torturas e omitiram informação para o encontro dos nossos filhos. Através do Movimento Familiar Cristão foram disfarçadas como « adoções » que, na verdade, foram apropriações de pelo menos duas das nossas netas.
Em abril de 2015, após a visita de Estela de Carlotto ao Vaticano, o Papa Francisco ordenou a abertura dos arquivos secretos da Igreja Católica; cerca de 3 mil cartas e documentos preservados no Episcopado, na Nunciatura Apostólica e na Santa Sé, com ordens que chegavam à igreja para saber o paradeiro dos detidos e desaparecidos além da reivindicação de investigação junto às autoridades.
Embora tenha sido decidido que durante a Assembleia da CEA será revelado o protocolo para se ter acesso a esses documentos, a informação indica que só poderão solicitá-los as vítimas e familiares, ou os juízes e promotores que os requeiram durante a investigação de casos envolvendo crimes contra a humanidade. A este respeito, esperamos que se se reveja  esta decisão que restringe o acesso a documentos que, há 40 anos, temos exigido.
Finalmente, com a proposta de « reconciliação », as Avós da Plaza de Maio reafirmamos que continuaremos lutando até que o último dos responsáveis ​​seja julgado e condenado, até que apareçam os restos de todos os nossos filhos e filhas desaparecidos, até o último neto apropriado tenha recuperado sua verdadeira identidade. Porque não há amor na mentira; não há reconciliação sem arrependimento; não há perdão sem justiça.
Por essa razão, voltamos a conclamar todos os paroquianos a quebrar o silêncio para que não sejam cúmplices da apropriação, e tragam informações que nos permitam encontrar nossos netos e netas roubados há 40 anos.
Edu Montesanti


Articles Par : Edu Montesanti

Avis de non-responsabilité : Les opinions exprimées dans cet article n'engagent que le ou les auteurs. Le Centre de recherche sur la mondialisation se dégage de toute responsabilité concernant le contenu de cet article et ne sera pas tenu responsable pour des erreurs ou informations incorrectes ou inexactes.

Le Centre de recherche sur la mondialisation (CRM) accorde la permission de reproduire la version intégrale ou des extraits d'articles du site Mondialisation.ca sur des sites de médias alternatifs. La source de l'article, l'adresse url ainsi qu'un hyperlien vers l'article original du CRM doivent être indiqués. Une note de droit d'auteur (copyright) doit également être indiquée.

Pour publier des articles de Mondialisation.ca en format papier ou autre, y compris les sites Internet commerciaux, contactez: [email protected]

Mondialisation.ca contient du matériel protégé par le droit d'auteur, dont le détenteur n'a pas toujours autorisé l’utilisation. Nous mettons ce matériel à la disposition de nos lecteurs en vertu du principe "d'utilisation équitable", dans le but d'améliorer la compréhension des enjeux politiques, économiques et sociaux. Tout le matériel mis en ligne sur ce site est à but non lucratif. Il est mis à la disposition de tous ceux qui s'y intéressent dans le but de faire de la recherche ainsi qu'à des fins éducatives. Si vous désirez utiliser du matériel protégé par le droit d'auteur pour des raisons autres que "l'utilisation équitable", vous devez demander la permission au détenteur du droit d'auteur.

Contact média: [email protected]