Crise na Península da Coreia e os Papeis Invertidos

When the people fear the government, there is tyranny. 
When governments fear the people, there is liberty – Thomas Jefferson

Nesta quarta-feira (4), o « inconsequente » presidente russo Vladimir Putin disse que através do discurso baseado na força contra o « louco » líder norte-corano Kim Jong-un, a situação apenas tende a piorar, cujo recado foi claramente enviado ao « equilibrado » presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

A grande mídia, portadora de sabedoria sobre-humana, não precisa utilizar-se da história para colocar os fatos em contexto a fim de tentar compreender o que o « novo Hitler » russo quis dizer. Deste trabalho de importunar os preguiçosos intelectuais, meios de comunicação « livres » como Rede Globo, Folha de S. Paulo etc se abstêm, é claro.

Até 2002, quando o « democrata » George Bush, que marcou a história pela « sinceridade », colocou sem nenhuma razão a Coreia do Norte no « Eixo do Mal » ao lado do Iraque que não possuía bombas de destruição em massa conforme os portadores da última palavra em « democracia » juravam, os norte-coreanos haviam se comprometido a abandonar o desenvolvimento de armas nucleares.

Voltando um pouco mais na história (está arrependido, leitor, por deixar meios como Rede Globo onde você é pensado o tempo inteirinho, que reza em que você deve acreditar, e se juntar a nós onde você é convidado a pensar?), os mesmos « pacifistas » Estados Unidos, único país na história a lançar bombas atômicas sobre centenas de milhares de inocentes, destruiu completamente as 78 cidades e milhares de povoados da Coreia do Norte (que também pode ser denominada de « Missão Evangélica » de Tio Sam em nome da democracia, da liberdade e da pregação da paavra de Deus, exatamente com tem-se dado, historicamente, na América Latina) entre 1950-1953, matando entre três e quatro milhões de pessoas (o que significa cerca de um terço do total de sua população à época).

O general norte-americano que combateu na Coreia, Curtis Emerson LeMay, observou: « Durante um período de cerca de três ano, matamos vinte por cento da população ». A própria revista norte-americana Newsweek, bem conhecida por suas posições pró-imperialistas, reconheceu em abril deste ano os crimes de guerra cometidos pelos Estados Unidos contra o povo coreano no início da década de 1950: na reportagem intitulada What War with North Korea Looked Like in the 1950s and Why It Matters Now, o historiador e escritor estadunidense Bruce Cumings afirmou que « A maioria dos norte-americanos desconhece completamente que destruímos mais cidades no Norte do que fizemos no Japão ou na Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial… Todos os norte-coreanos sabem disso. Nós nunca ouvimos falar disso ».

Desde então, os « missionários pela paz » estadunidenses realizam a cada ano exercícios militares na fronteira da Coreia do Sul com o Norte, onde estão instaladas bases militares do Estado norte-americano que, para o ano fiscal de 2018, apovou gastos militares que superam os 700 bilhões de dólares, « contra a sua vontade » enriquecendo a indústria bélica em detrimento de investimentos em educação, saúde etc. Da mesma maneira que, « contra a sua vontade » mas apenas embuído do fervor evangélico-democrático, espalha cada vez mais bases militares mundo afora, atualmente chegando à cifra de 800 (oitocentas!) nos quatro cantos do planeta.

Enquanto isso, a Organização Mundial de Saúde (OMS) adverte a « nação democrática modelo » por não possuir sistema público de saúde universal. Ao passo que segundo a Unesco, na « ditadura » de Jong-un que tanto « oprime » seu povo, a educação pública é universal e totalmente financiada pelo Estado. « A educação na Coréia do Norte é gratuita, obrigatória e universal por 11 anos, de 4 a 15 anos, nas escolas públicas. A taxa nacional de alfabetização para cidadãos de 15 anos e mais é de 99% « , informou Library of Congress, Federal Research Division em julho de 2007.

Em julho de 2010, a OMS constatou que cerca de 99% da população na Coreia do Norte tinha acesso ao saneamento, e 100% tinham acesso à água. De acordo com a diretora-geral da Organização, Margaret Chan, naquele país em 2010 « não faltava médicos e enfermeiros », ressaltando ainda que o « sistema de saúde local é de causar inveja no mundo em desenvolvimento ».

Se você foi capaz de notar algum equívoco na aplicação dos adjetivos deste texto, o raciocínio óbvio o levará a constar que também existe uma aberração no conceito ocidental de democracia… tanto quanto em se permitir ter a mentalidade pautada pela grande mídia de embaralhamento do entendimento coletivo, escravizante psicológica, desconstrutora social da realidade por excelência!

E o que Putin, que vem dando lições mundiais em diplomacia, consequentemente nas tentativas do impiedoso regime de Washington de terminar de arrasar o mundo em nome dos seus interesses econômicos mesquinhos, é que a Coreia do Norte, por mais que detestemos armas (excetuando deste grupo o próprio Trump e seus aberrantes discípulos mundo afora colonizadores das mentes, Bolsonaro e outras afrontas à inteligência humana que condenam nos outros o que pleiteiam para si, na psicologia considerada psicopatologia, ou mais popularmente imbecilidade), possui o direito sagrado e inalienável à auto-defesa.

A atual situação trágica de nações como Iraque e Líbia que se desarmaram obedientemente segundo os ditamtes de Washington, ilustram perfeitamente o que Putin quer dizer que, pela força da retórica, Pyongyang nao será vencida, pelo contrário, fortalecerá ainda mais seu poderio militar.

Edu Montesanti
5 de outubro de 2017


Articles Par : Edu Montesanti

Avis de non-responsabilité : Les opinions exprimées dans cet article n'engagent que le ou les auteurs. Le Centre de recherche sur la mondialisation se dégage de toute responsabilité concernant le contenu de cet article et ne sera pas tenu responsable pour des erreurs ou informations incorrectes ou inexactes.

Le Centre de recherche sur la mondialisation (CRM) accorde la permission de reproduire la version intégrale ou des extraits d'articles du site Mondialisation.ca sur des sites de médias alternatifs. La source de l'article, l'adresse url ainsi qu'un hyperlien vers l'article original du CRM doivent être indiqués. Une note de droit d'auteur (copyright) doit également être indiquée.

Pour publier des articles de Mondialisation.ca en format papier ou autre, y compris les sites Internet commerciaux, contactez: [email protected]

Mondialisation.ca contient du matériel protégé par le droit d'auteur, dont le détenteur n'a pas toujours autorisé l’utilisation. Nous mettons ce matériel à la disposition de nos lecteurs en vertu du principe "d'utilisation équitable", dans le but d'améliorer la compréhension des enjeux politiques, économiques et sociaux. Tout le matériel mis en ligne sur ce site est à but non lucratif. Il est mis à la disposition de tous ceux qui s'y intéressent dans le but de faire de la recherche ainsi qu'à des fins éducatives. Si vous désirez utiliser du matériel protégé par le droit d'auteur pour des raisons autres que "l'utilisation équitable", vous devez demander la permission au détenteur du droit d'auteur.

Contact média: [email protected]