Democracia OTAN na Ucrânia

A arte da guerra

“Histórica” visita do secretário geral da OTAN, Stoltenberg, na Ucrânia 21-22 de setembro onde ele participa (pela primeira vez na história das relações bilaterais) no Conselho Nacional de Segurança, assina um acordo para a abertura de uma embaixada da OTAN em Kiev, e tem duas conferências de imprensa conjuntamente com o presidente Poroshenko.

Esse é um passo decisivo para a integração da Ucrânia na Aliança. Tendo começado em 1991, de quando apenas tinha vindo a ser um estado independente a seguir a desintegração da URSS, a Ucrânia entrou primeiro no “Conselho de Cooperação Norteatlântica” e depois em 1994 na “Parceria para a Paz”. Em 1999 – enquanto a OTAN estava a demolir a Iugoslávia com a guerra e a encorpar ex-países do Pacto de Varsóvia (Polônia, República Tcheca e Hungria) – foi inaugurado em Kiev o “Gabinete de Ligação da OTAN” e formado um batalhão polaco-ucraniano para as operações de “Manutenção de Paz”, em Kosovo. Em 2002 o presidente Kuchma, da Ucrânia, declarava a disponibilidade do país para uma sua entrada na OTAN. Em 2005, nas águas da “revolução laranja” organizada e financiada por Washington, ou seja o governo dos EUA, através de uma especializada Organização Não Governamental financiada pelo oligarca Poroshenko o presidente de então, Yushenko, foi convidado à cimeira da OTAN em Bruxelas.

Entretanto, em 2010 o então recentemente eleito presidente Yanukovich anunciava que uma adesão da Ucrânia a OTAN não fazia parte da sua agenda. No meio tempo a OTAN foi tecendo suas redes no interior das forças armadas ucranianas, e treinando grupos de neo-nazistas (como pode ser comprovado por uma documentação fotográfica de militantes da Uno-Unso sendo treinada por instrutores da OTAN na Estônia, em 2006. Os neo-nazis foram usados como forças de ataque no golpe de estado da “Piazza Maidan” que veio a derrubar Yanukovich em fevereiro de 2014, enquanto o secretário geral da OTAN ordenava as forças armadas da Ucrânia a “manterem-se neutras”, sem reagir. Poroshenko toma logo depois a posse da presidência e a OTAN declara que abaixo de sua direção a Ucrânia está a se tornar “num estado soberano e independente, firmemente empenhado a democracia e ao direito”.

Quanto a soberania e a independência da Ucrânia o demonstra as denominações de cidadãos estrangeiros escolhidos por Washington e Bruxelas para encargos ministeriais na Ucrânia: o ministério das finanças foi dado a Natalie Jaresko, cidadã norteamericana que trabalhou no Departamento de Estado dos Estados Unidos; o ministério do comércio e do desenvolvimento econômico foi dado a Abromavicius, da Lituânia, que trabalhou, por sua vez, para grupos bancários europeus; o ministério da saúde foi dado ao ex-ministro georgiano Kvitashvili. O ex-presidente da Geórgia, Saakashvili, o homem da confidência de Washington, foi denominado governador da região ucraniana de Odessa. Para completar o quadro Kiev confiou sua própria Receita Federal a uma companhia particular britânica.

Quanto a Ucrânia estar impregnada pela democracia e a justiça o demonstra o fato que os batalhões neo-nazistas responsáveis pelas atrocidades cometidas contra os civis de etnicidade russa na Ucrânia do leste foram enquadrados na Guarda Nacional treinada por instrutores americanos e britânicos. Essa sua impregnação também é demonstrada pela proibição do grupo do partido comunista ucraniano, assim como a de toda a ideologia comunista, em um clima de perseguições similar aquele do advento do fascismo na Itália dos anos 20. Depois tem-se que para evitar testimônios incômodos para si, Kiev decidiu-se, em 17 de setembro, a impedir a entrada no país de dezenas de jornalistas estrangeiros, entre esses então três da BBC, decisão essa que foi definida como determinada por “uma ameaça a segurança nacional”.

A Ucrânia de Poroshenko, o oligarca enriquecido com o saqueio da propriedade estatal, e ao qual o Primeiro-ministro Renzi da Itália elogia a “sábia direção”, contribuiria até mesmo para a nossa própria “segurança nacional” de quando participando como um parceiro nos exercícios militares da OTAN denominados como “Trident Juncture” – 2015 [TJ 15]  desenrolando-se na Itália.

Manlio Dinucci

 Artigo original : http://ilmanifesto.info/democrazia-nato-in-ucraina/

Traduzido do italiano por Anna Malm, artigospoliticos.wordpress.com para Mondialisation.ca  



Articles Par : Manlio Dinucci

A propos :

Manlio Dinucci est géographe et journaliste. Il a une chronique hebdomadaire “L’art de la guerre” au quotidien italien il manifesto. Parmi ses derniers livres: Geocommunity (en trois tomes) Ed. Zanichelli 2013; Geolaboratorio, Ed. Zanichelli 2014;Se dici guerra…, Ed. Kappa Vu 2014.

Avis de non-responsabilité : Les opinions exprimées dans cet article n'engagent que le ou les auteurs. Le Centre de recherche sur la mondialisation se dégage de toute responsabilité concernant le contenu de cet article et ne sera pas tenu responsable pour des erreurs ou informations incorrectes ou inexactes.

Le Centre de recherche sur la mondialisation (CRM) accorde la permission de reproduire la version intégrale ou des extraits d'articles du site Mondialisation.ca sur des sites de médias alternatifs. La source de l'article, l'adresse url ainsi qu'un hyperlien vers l'article original du CRM doivent être indiqués. Une note de droit d'auteur (copyright) doit également être indiquée.

Pour publier des articles de Mondialisation.ca en format papier ou autre, y compris les sites Internet commerciaux, contactez: [email protected]

Mondialisation.ca contient du matériel protégé par le droit d'auteur, dont le détenteur n'a pas toujours autorisé l’utilisation. Nous mettons ce matériel à la disposition de nos lecteurs en vertu du principe "d'utilisation équitable", dans le but d'améliorer la compréhension des enjeux politiques, économiques et sociaux. Tout le matériel mis en ligne sur ce site est à but non lucratif. Il est mis à la disposition de tous ceux qui s'y intéressent dans le but de faire de la recherche ainsi qu'à des fins éducatives. Si vous désirez utiliser du matériel protégé par le droit d'auteur pour des raisons autres que "l'utilisation équitable", vous devez demander la permission au détenteur du droit d'auteur.

Contact média: [email protected]