Não à reforma belicista da Constituição italiana

A maioria dos italianos, desafiando os fortes poderes alinhados com Renzi, frustrou o seu plano de reforma anticonstitucional. Mas para que isto possa abrir um novo caminho ao país, é necessário outro NÃO fundamental: O NÃO à “reforma” belicista que destruiu o Artigo 11, um dos pilares básicos da nossa Constituição.

Por Manlio Dinucci*

As escolhas econômicas e políticas internas, como as feitas pelo governo Renzi rejeitadas pela maioria dos italianos, estão de fato indissoluvelmente ligadas às de política externa e militares. Umas são funcionais às outras. Quando justamente se propõe aumentar a despesa social, não se pode ignorar que a Itália queime, na forma de despesas militares, 55 milhões de euros por dia (cifra fornecida pela Otan, na realidade é mais alta). Quando justamente se pede que os cidadãos tenham voz na política interna, não se pode ignorar que também não têm nenhuma voz na política externa, que continua sendo orientada para a guerra.

Enquanto estava em curso a campanha do referendo, passou em silêncio quase total o anúncio feito no início de novembro pelo almirante Backer da U.S. Navy ( a marinha dos EUA): “A estação terrestre do Muos em Niscemi, que cobre grande parte da Europa e da África, está em operação”.

Realizada pela General Dymanics – gigante estadunidense da indústria bélica, com faturamento anual de 30 bilhões de dólares  – a estação de Niscemi é uma das quatro do sistema Muos (Mobile User Objective System). As demais estão na Virgínia, no Havaí e na Austrália. Através dos satélites da Lockheed Martin – outro gigante estadunidense da indústria bélica com 45 bilhões de dólares de faturamento – o Muos interliga à rede de comando do Pentágono submarinos e navios de  guerra, caças-bombardeiros e drones, veículos militares e destacamentos terrestres em movimento, em qualquer parte do mundo em que se encontrem.

A entrada em operação da estação Muos em Niscemi potencializa a função da Itália como trampolim de lançamento das operações militares dos EUA/Otan para o Sul e o Leste, no momento em que os EUA se preparam para instalar sobre nosso território as novas bombas nucleares B61-12.

Passou sob quase total silêncio, durante a campanha do referendo, também o “plano para a defesa europeia” apresentado por Federica Mogherini: esse plano prevê o engajamento dos grupos de batalha deslocáveis em dez dias por 6 mil quilômetros desde a Europa.

O maior desses grupos, de que a Itália é a “nação guia”, efetuou, na segunda metade de novembro, o exercício militar “European Wind 2016”, na província de Udine. Participaram 1.500 soldados da Itália, Áustria, Croácia, Eslovênia e Hungria, com uma centena de meios blindados e muitos helicópteros. O grupo de batalha guiado pela Itália, do qual se certificou a plena capacidade operacional, está pronto para ser deslocado já a partir de janeiro, para “áreas de crise”, sobretudo na Europa oriental.

Para evitar equívocos com Washington, Mogherini detalhou que isso “não significa criar um exército europeu, mas ter mais cooperação para uma defesa mais eficaz em plena complementaridade com a Otan., em outras palavras, que a União Europeia quer aumentar a sua força militar permanecendo sob comando dos EUA na Otan, da qual são membros 22 dos 28 países da União. Enquanto isso, o secretário geral da Otan, Stoltenberg, agradece ao recentemente eleito presidente Trump por “ter levantado a questão da despesa com a defesa”, detalhando que “não obstante os progressos alcançados na divisão dos encargos, ainda há muito a fazer”.  Em outras palavras, os países europeus da Otan deverão endossar uma despesa militar muito maior.

Os 55 milhões de euros, que pagamos a cada dia para as despesas militares, logo aumentarão. Mas sobre isto não há referendo.

Manlio Dinucci

Jornalista e geógrafo

Artigo original :

Renzi

No alla «riforma» bellicista

Publicado em Il Manifesto.

Tradução de José Reinaldo Carvalho para Resistência



Articles Par : Manlio Dinucci

A propos :

Manlio Dinucci est géographe et journaliste. Il a une chronique hebdomadaire “L’art de la guerre” au quotidien italien il manifesto. Parmi ses derniers livres: Geocommunity (en trois tomes) Ed. Zanichelli 2013; Geolaboratorio, Ed. Zanichelli 2014;Se dici guerra…, Ed. Kappa Vu 2014.

Avis de non-responsabilité : Les opinions exprimées dans cet article n'engagent que le ou les auteurs. Le Centre de recherche sur la mondialisation se dégage de toute responsabilité concernant le contenu de cet article et ne sera pas tenu responsable pour des erreurs ou informations incorrectes ou inexactes.

Le Centre de recherche sur la mondialisation (CRM) accorde la permission de reproduire la version intégrale ou des extraits d'articles du site Mondialisation.ca sur des sites de médias alternatifs. La source de l'article, l'adresse url ainsi qu'un hyperlien vers l'article original du CRM doivent être indiqués. Une note de droit d'auteur (copyright) doit également être indiquée.

Pour publier des articles de Mondialisation.ca en format papier ou autre, y compris les sites Internet commerciaux, contactez: [email protected]

Mondialisation.ca contient du matériel protégé par le droit d'auteur, dont le détenteur n'a pas toujours autorisé l’utilisation. Nous mettons ce matériel à la disposition de nos lecteurs en vertu du principe "d'utilisation équitable", dans le but d'améliorer la compréhension des enjeux politiques, économiques et sociaux. Tout le matériel mis en ligne sur ce site est à but non lucratif. Il est mis à la disposition de tous ceux qui s'y intéressent dans le but de faire de la recherche ainsi qu'à des fins éducatives. Si vous désirez utiliser du matériel protégé par le droit d'auteur pour des raisons autres que "l'utilisation équitable", vous devez demander la permission au détenteur du droit d'auteur.

Contact média: [email protected]